Como funciona o rotativo do cartão de crédito

Publicado em 25 janeiro, 2017

O rotativo do cartão pode ser uma opção quando não se pode pagar o total da fatura, mas pode causar endividamento se usado sem planejamento

O cartão de crédito já está popularizado tanto entre os consumidores quanto entre os lojistas, já que é bastante comum a divulgação de promoções onde as compras podem ser parceladas em até 12 vezes ou mais sem juros com cartão de crédito.

Essa possibilidade ajuda aos consumidores que não dispõe de todo o dinheiro necessário para comprar determinado produto a sair da loja levando consigo aquilo que deseja, após parcelar o pagamento por cartão de crédito.

No entanto, o uso do cartão de crédito deve ser feito com cautela e com planejamento, haja vista que, devido aos juros altos cobrados em caso de atraso ou utilização do rotativo, em poucos meses o valor da dívida poderá dobrar.

E quando ocorre um descontrole nos gastos e no momento de pagar a fatura percebe-se que o dinheiro disponível não é suficiente, geralmente a saída adotada pelos consumidores é utilizar o crédito rotativo do cartão.

Crédito rotativo do cartão de crédito

O crédito rotativo funciona como um refinanciamento da sua dívida, que geralmente é feito quando se faz o pagamento mínimo do cartão, ou qualquer outro valor inferior ao valor total da fatura. Veja como funciona:

Imaginemos um cartão com um limite de R$ 1.000,00, cujo pagamento mínimo é R$ 200,00.

Se o consumidor não conseguir pagar o valor total da fatura, e optar por quitar apenas o valor referente ao pagamento mínimo (R$ 1.000,00 – R$ 200,00 = R$ 800,00), significa o restante (R$ 800,00) será lançado na fatura do mês seguinte.

O problema é que esse restante a ser lançado no mês seguinte será acrescido da taxa de juros do rotativo do cartão, que é uma das mais altas do mercado, podendo até passar dos 15% ao mês.

Tomando de volta o exemplo, se o restante da fatura que ficou para o mês seguinte for acrescido da taxa de 15%, só com ela a fatura do mês seguinte virá com o valor de R$ 920,00 (R$ 800,00 + 15%), ou seja, acrescida de R$ 120,00 apenas de juros. Caso novamente se utilize o rotativo, mais 15% incidirão sobre o saldo não pago mais os juros aplicados anteriormente.

Máquina de cartão de crédito

A facilidade em comprar oferecida pelo cartão de crédito, pode levar o consumidor a comprar mais do que pode pagar, e com isso obrigá-lo a utilizar o rotativo do cartão

Riscos de utilizar o rotativo do cartão

O rotativo do cartão deve ser utilizado apenas em emergências, jamais por negligência ou falta de planejamento na realização das compras por cartão de crédito, pois o preço a pagar no final das contas pode ser bem alto. Um descontrole na utilização do cartão, com frequente utilização do crédito rotativo pode ocasionar o efeito “bola de neve”, que ocorre quando uma dívida só aumenta, dificultando ou mesmo impossibilitando seu pagamento.

Com uma taxa de juros média de 15% ao mês, sem levar em consideração que os juros se sobrepõe, ou seja, que existe a incidência de juros sobre juros, em menos de seis meses o valor da sua fatura já terá dobrado.

Agora imagine, se já não estava fácil pagar a dívida no começo, imagine pagar depois de utilizar tantas vezes o rotativo, fica praticamente impossível, pois os juros fazem o valor aumentar muito além da capacidade de pagamento do devedor.

Como evitar o rotativo do cartão de crédito

Evitar utilizar o rotativo do cartão de crédito é fácil, e para isso é necessário apenas planejamento e disciplina. Os três pontos principais são:

1. Estabeleça o valor em máximo mensal em compras no cartão de crédito.
2. Dentro desse limite máximo, deixe um valor reservado para possível emergências.
3. Não seja impulsivo e siga o planejamento. Se o valor da fatura desse mês já chegou ao limite, pare de usar o cartão e reprograme as compras que ficaram faltando. Com isso você evita comprar mais do que pode pagar.

Conclusão

Como vimos, o rotativo do cartão de crédito deve ser usado só em emergências, quando por um motivo de força maior não seja possível pagar o valor total da fatura.

O que jamais deve acontecer é utilizar o rotativo por ter comprado mais do que se pode pagar, e com isso pagar uma parte e jogar o restante para o mês seguinte, pois a taxa de juros aplicada é altíssima.