Seguro de carro, tipos e informações

Publicado em 11 novembro, 2012 / Atualizado em 27 de dezembro de 2012

Conheça melhor os tipos de seguros para veículos e como eles funcionam

Comprar um veículo novo realmente é um grande prazer, qual o motorista que não sonha em comprar um carro novo, zero quilometro?! Para alguns, tirar um carro diretamente da concessionária é algo comum, mas para a maioria, comprar um zero KM não é uma tarefa fácil e exige muitos cálculos e preparação.

Para carros novos ou semi-novos, uma importante medida para assegurar o patrimônio recém adquirido é contratar um seguro. Como a maior parte da população consegue comprar um carro após muita dedicação, disciplina financeira ou até, às vezes, privação, não se pode correr o risco de perder o veículo devido a furto, roubo ou acidentes.

No entanto, antes de contratar um seguro, é importante ter conhecimento de como o mesmo funciona, além de termos, expressões e procedimentos que podem ser utilizados tanto durante a contratação quanto em caso de sinistro. Todas as características sobre o seguro podem ser verificadas na apólice, que é o contrato que o cliente assina ao contratar o serviço.

Algumas características dos seguros de automóveis

Ao contratar um seguro de veículo, o proprietário pode escolher entre dois tipos de seguros, o seguro total ou os do tipo RCF (Responsabilidade Civil Facultativa). Na verdade, podemos estabelecer três tipos, subdividindo o seguro total em dois.

O seguro do tipo RCF (Responsabilidade Civil Facultativa) cobre apenas danos causados a outros veículos ou pessoas. Caso o motorista que possua um seguro do tipo RCF bata em outro carro ou atropele alguma pessoa, a indenização a ser paga às vítimas é feita pela seguradora. As apólices do tipo RCF não cobrem nenhum dano ocorrido no veículo do segurado ou ao passageiro deste veículo.

O seguro total, como o próprio nome sugere, oferece cobertura total, alcançando os casos de furto, roubo, incêndio e danos, seja ou parcial. No seguro total, o RCF já está incluído. Como foi dito anteriormente, é possível subdividir o seguro total, de onde irá surgir mais um tipo, o que cobre furto, roubo e incêndio (total ou parcial), e que não protege contra danos que causem perda total ao veículo, como em casos de capotamento, por exemplo.

Feita a contratação, o proprietário deverá pagar o prêmio à seguradora. Prêmio é o nome dado ao valor pago pelo cliente à seguradora pelo serviço. Normalmente o prêmio costuma ser dividido em diversas parcelas, mas o cliente pode pagar de uma só vez, caso queira.

A situação de perda, furto, ou qualquer dano causado ao veículo é chamada de sinistro. Quando o carro é roubado, por exemplo, dizemos que houve um sinistro.

Outro ponto que deve ser observado é a franquia do seguro. Quando se contrata o seguro, a depender de diversos fatores, a seguradora estipula o valor da franquia do seguro. A franquia é um valor que o cliente deverá pagar em caso de sinistro, caso não haja o pagamento, a seguradora irá deduzir da indenização o valor referente à franquia.

É bom ter em mente que o valor do seguro irá variar de acordo com diversas situações. Normalmente modelos muito visados por ladrões costumam ter o seguro mais caro. Pessoas muito jovens também pagam mais pelo seguro, pois segundo as seguradoras, oferecem mais riscos de acidentes e colisões.

As mulheres, em especial as com mais idade, são vistas como motoristas mais prudentes e, por isso, pagam menos pelo seguro. Homens e mulheres, mesmo que tenham a mesma idade, a mulher ainda paga menos. Carros com sistemas de rastreamento costumam ter um bom desconto no valor do seguro.

Além das coberturas tradicionais, existem coberturas adicionais, como a Acidentes Pessoais de Passageiros (APP), que garante indenização ao motorista e passageiros do veículo ou a seus beneficiários legais em caso de acidente que os atinja e que resulte em morte ou invalidez permanente. Existem diversas outras coberturas adicionais a depender da seguradora contratada.