Previsão de estoques: projeção, predileção e explicação

Publicado em 29 junho, 2016

Estimar ou prever estoques é importante para evitar a falta de mercadorias para a venda ou de insumos para a produção

Um empresa varejista, atacadista ou fabricante precisa controlar de maneira eficaz seus estoques, a fim não apenas de evitar a falta de produtos para atender o pedido de um cliente, mas também para evitar a obsolescência e acumulação de capital parado nos depósitos e galpões.

Ter um produto ou uma matéria-prima disponível em estoque significa ter a possibilidade de dar continuidade ao negócio da empresa, fechar parcerias, vendas e com isso promover o desenvolvimento do negócio, seja ele a manutenção da posição ou a busca por novos clientes e mercados. Sempre lembrando que ter um estoque muito grande pode trazer prejuízos para o negócio, seja pelo custo para mantê-lo ou pelo dinheiro que “ficará parado”.

Dentre as diversas atividades e técnicas utilizadas na gestão dos estoques dentro das empresas, uma classificação busca demonstrar como três métodos ou técnicas utilizados na gestão de estoques podem contribuir para evitar que as vendas ou a produção pare por falta de materias, matérias-primas ou produtos em estoque: a projeção, explicação e predileção.

Consideradas técnicas de previsão de estoque, a projeção, explicação e predileção têm como objetivo estimar uma demanda futura e com isso permitir que o gestor adquira ou faça o pedido de materiais, produtos ou matérias-primas em quantidade satisfatória para atender uma demanda futura.

Estoque de produtos
Prever estoques contribui para evitar prejuízos causados pela falta de produtos para comercialização ou insumoes para a produção de bens.

PREVISÃO DE ESTOQUES

Projeção

A projeção utiliza dados passados para prever uma demanda futura. Ela pode considerar o mês anterior, ou meses anteriores para prever a quantidade adequada a ser adquirida. Ela pode também considerar a variação percentual entre os meses passados, e não apenas o consumo de determinado mês ou a média de meses anteriores. Essa é uma técnica de característica quantitaiva, e geralmente é mais adequada em ambientes de demanda mais estável.

Explicação

Assim como a projeção, a explicação é uma técnica de caráter quantitativo, uma vez que utiliza números para estimar a necessidade futura de estoques. Diferentemente da projeção, a explicação é mais complexa e utiliza também dados e informações relacionados indiretamente com a atividade produtiva ou comercial da empresa.

Para facilitar o entendimento, podemos dar como exemplo a diminuição do desemprego, aumento da renda, diminuição da taxa de juros do mercado e outras situações que podem influenciar a demanda por parte dos clientes consumidores pellos produtos ou serviços oferecidos pela empresa ao mercado. A partir da análise de elementos como esses, a explicação busca estimar o estoque que a empresa deve manter no futuro. Por lidar com números e valores reais, numéricos, a explicação é considerada uma técnica quantitativa.

Predileção

A predileção não é uma técnica quantitativa, mas sim qualitativa. Isso se dá pelo fato de, ao contrário da projeção e explicação, não usa números ou indicadores socias e econômicos para prever a demanda de estoque futura. A predileção leva em consideração a experiência proissional dos atores envolvidos em diversas áreas da empresa. Através da experiência e conhecimento sobre o negócio que eles possuem, busca-se criar uma estimativa, uma previsão da quantidade de produtos, materiais ou matérias-prima que poderão ser necessarios futuramente.