Como funciona conta poupança com baixa automática

Publicado em

A baixa automática da poupança pode ser útil em alguns casos, mas sua utilização pode ser desfavorável em outros

A conta poupança é a forma de investimento mais simples e acessível que temos atualmente no mercado financeiro. Por esse motivo é a escolha da maioria dos investidores, sobretudo daqueles que investem pequenos valores.

Já a conta corrente é utilizada em sua maioria por empresas ou pessoas físicas que utilizam cheques ou que usam a conta para realizar transferências, pagamentos e outras operações que não sejam classificadas como investimento.

De maneira geral a conta poupança é separada da conta corrente. Ou seja, seu saldo não é compartilhado, o dinheiro que está na poupança não pode ser usado pela corrente e vice-versa. No entanto, alguns bancos disponibilizam um recurso que possibilita que os saldos das contas se juntem em um só. Na verdade, é o saldo da poupança que passa a integrar o saldo da conta corrente.

Esse serviço é chamado de baixa automática. Uma vez ativada em sua conta, o saldo disponível na poupança também ficará disponível através da conta corrente.

Por exemplo: se um cheque for depositado, e a conta pagadora não tiver saldo suficiente, mas a poupança vinculada estiver com a baixa automática ativada e tiver saldo suficiente para cobrir o cheque, o valor referente a ele será baixado automaticamente da poupança e passará para a conta corrente para cobrir o cheque e evitar que ele volte sem fundos.

A baixa automática da conta de investimentos, ou poupança, tem como utilidade principal cobrir a conta corrente em casos de falta de saldo. Além do exemplo do cheque, outro momento em que a baixa automática pode ser uma boa opção é quando se tem limite de cheque especial.

Com a baixa automática ativada, caso a conta corrente não tenha saldo suficiente para fazer um pagamento, por exemplo, o valor necessário será retirado da conta poupança, onde não há cobrança de juros. Se não houvesse a baixa automática, e a conta corrente possuísse cheque especial, o valor necessário sairia do seu limite, e o banco cobraria juros e outros encargos.

A desvantagem em ativar a baixa automática é que em algum momento podemos ser pegos de surpresa com a retirada de dinheiro da conta de investimentos, o que muitas vezes não é desejável, já que é necessário deixar o dinheiro “fazer aniversário” para poder render.

Resumindo, antes de ativar a baixa automática, é necessário refletir se esse recurso pode ser útil ou não para cada caso.

Compartilhe: